Covid-19: BCV aconselha clientes a adoptar instrumentos de pagamento digitais em vez de notas e moedas

0
0
0
s2sdefault

O Banco de Cabo Verde (BCV) aconselhou hoje os clientes a adoptar meios de pagamento digitais em vez de notas e moedas metálicas, neste contexto “excepcional” que se vive devido à pandemia da covid-19.

Este conselho faz parte do conjunto de boas práticas publicadas pelo BCV, que com isso quer “reforçar as medidas de segurança, de contenção dos riscos de contágio e salvaguarda da saúde pública”.

Além de aconselhar a adopção de instrumentos digitais, o Banco Central também sugeriu que os clientes façam  pagamento quotidianos através dos canais ˈhomebankingˈ ou aplicativos para telemóveis disponibilizados pelos prestadores de serviços de pagamento, com comodidade e segurança.

De acordo com o BCV, sempre que for impossível utilizar esses meios para realizar operações de pagamento, os clientes devem  optar pelas caixas automáticas (ATM) ou terminais de pagamento automático (POS), evitando o máximo possível os contactos pessoais.

“Sempre que tiver que utilizar um POS, o cartão não precisa ser entregue ao comerciante, devendo ser o cliente a introduzi-lo na ranhura do chip ou a passar no leitor magnético, enquanto o comerciante segura no POS”, aconselha o BCV que aponta ainda para a utilização de um lenço/guardanapo no manuseio do cartão e das teclas do ATM ou POS, que deverá ser descartado depois da operação.

Outra recomendação é o distanciamento mínimo de dois metros entre as pessoas na fila para aceder a um ATM ou a um POS.

Entretanto, o Banco Central pediu aos clientes que nunca acedam ao serviço de ˈhomebankingˈ da sua instituição, através de um link existente em mensagem de e-mail, de endereços gravados nos “favoritos” ou no “histórico”, nem de resultados de pesquisa de motores de busca.

“O cliente bancário deve sempre escrever, de forma completa, o endereço electrónico de acesso que pretende no motor de busca, a fim de evitar o acesso a programas que permitam a apropriação de informação confidencial ou que o reencaminhem para uma página web com a mesma aparência da instituição financeira, mas falsa”, lê-se no comunicado.

O BCV recomendou a não divulgação na totalidade das coordenadas do cartão matriz de acesso ao serviço de ˈhomebankingˈ, porque “a instituição financeira nunca o pedirá”. Também aconselhou a não utilização do serviço de ˈhomebankingˈ em equipamentos públicos como computadores, ˈsmartphonesˈ ou ˈtabletsˈ partilhados, nem da mesma palavra-chave utilizada para ligações que requerem menor segurança.

Pediu, igualmente, aos clientes que comuniquem a instituição sobre furto, roubo ou a apropriação abusiva do cartão matriz ou de outro elemento de segurança, que activem alertas de transferências e de débitos ou outros mecanismos de segurança.

Nas compras online sugeriu que estes procurem informações sobre o vendedor, pesquisando na internet o nome da empresa, e que verifiquem a segurança do site, que não utilizem redes wi-fi e computadores públicos.

A instituição supervisora dos bancos em Cabo Verde recomendou ainda a higienização do cartão de pagamento, dispositivo móvel ou computador, após cada utilização e que se evite tocar com as mãos no rosto, nariz e boca antes de higienizá-las.

 

Fonte: Inforpress - https://noticias.sapo.cv/economia/artigos/covid-19-bcv-aconselha-clientes-a-adoptar-instrumentos-de-pagamento-digitais-em-vez-de-notas-e-moedas

Video

+ Slide
- Slide
  • 00:00